Verificando a Escala de Temperatura e Metalicidade de Estrelas Anãs M

September 16, 2017

Título do Artigo: Examining the relationships between colour, Teff, and [M/H] for APOGEE K and M dwarfs

 

Primeir@ autor@: Sarah Schmidt

 

Revista publicada: Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, Volume 460, Página 11, Agosto de 2016.

 

 

 

Estrelas anãs M são aquelas com baixa temperatura, entre 2500 e 4000 K, e ainda na sequência principal do diagrama HR cuja massa estelar é da ordem de 0.08 -- 0.60 massa solares. Existem dezenas de motivações no estudo desta classe estelar, que foi o principal foco da minha tese. Alguns dos principais é que existe uma facilidade observacional de se encontrar exoplanetas de baixa massa ao redor de estrelas de baixa massa nos principais métodos de busca por exoplanetas, como o de velocidade radial e o de trânsito planetário. Esta classe também é a mais abundante da Galáxia, o que corresponde a mais de 70% de todas as estrelas da via Láctea. Mesmo sendo a classe estelar mais abundante da Galáxia, estrelas anãs M são objetos muito pouco estudados na literatura, pelo fato de que estrelas de baixa massa possuem baixa luminosidade absoluta, o que dificulta a sua observação. Outro fator que complica o estudo espectroscópico desta classe é que estrelas anãs M possuem o seu espectro ótico coberto por fortes bandas moleculares que distorcem o continuo do espectro, impossibilitando uma devida analise desta classe. Mais motivações e detalhes de estrelas anãs M podem ser encontradas neste link (em construção).

 

Neste artigo, utilizamos espectros APOGEE para estudar os parâmetros atmosféricos das estrelas anãs M, em especial a temperatura e metalicidade. Selecionamos uma amostra com cerca de 4000 estrelas de tipos espectrais M e K e utilizamos os dados obtidos com o pipeline de abundâncias química do APOGEE, o ASPCAP. Este pipeline determina de forma automática diversos parâmetros fundamentais de todas as estrelas observadas no APOGEE. O objetivo deste estudo foi de verificar e comparar os resultados até então obtidos com o APOGEE no DR12. Eu noto que infelizmente no DR12 nós ainda não tínhamos incluído as listas de linhas de H2O e FeH, água e hidreto de ferro, que é fundamental no estudo detalhado desta classe estelar.

 

Este trabalho teve vários resultados interessantes obtidos. Primeiro, pudemos comparar os resultados do ASPCAP de temperatura efetiva com calibrações fotométricas da literatura, que é normalmente utilizado como uma primeira estimativa deste parâmetro. Utilizamos os trabalhos de Mann et al. (2015), Boyajian et al. (2012)  e Casagrande et al. (2008) como fonte de comparação. Os nossos resultados indicaram que a calibração de Casagrande et al. (2008) foi a que apresentou uma pior relação com os nossos resultados. O que já era relativamente esperado, já que os autores não levaram em conta a metalicidade da estrela que tem um certo grau de ambiguidade com a temperatura efetiva nesta classe. A menor diferença encontrada foi quando comparamos com a calibração de Mann et al. (2015), no entanto, obtivemos um espalhamento muito maior do que utilizando a calibração de Boyajian et al. (2012). Em suma, esta análise nos possibilitou concluir que, em geral, podemos usar a calibração de Mann et al. (2015) para ter uma boa e real estimativa da temperatura efetiva de estrelas anãs M. A Figura 1 apresenta uma reprodução do nosso trabalho, onde comparamos os resultados do ASPCAP com estas calibrações mencionadas.

 

 

Figura 1 - Comparação das temperaturas efetivas determinadas com o ASPCAP DR12 e literatura. 

 

 

Um outro interessante resultado obtido neste estudo foi que existem algumas cores, ou diferenças entre magnitudes fotométricas, que são mais sensíveis à temperatura efetiva. Observamos que utilizando as cores W1-W2 (obtidas com o satélite WISE) é possível obter uma melhor relação com a temperatura efetiva, já que esta cor tem uma alta sensitividade a esta. Em suma, os resultados determinados no DR12 do APOGEE têm um grau de incerteza de ~100 K na temperatura efetiva e a calibração fotométrica de Mann et al. (2015) pode ser bem empregada no estudo de estrelas anãs M.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Olá! Eu sou Doutor em Astronomia e vou te informar um pouco sobre os meus projetos de pesquisa e sobre as mais importantes descobertas atuais da Astrofísica moderna. =D

 

Read More

 

About Me
Exoplaneta Kepler 186-f
SDSS survey
Aglomerado das Plêiades
Comparação da zona de habitabilidade
Observação do Céu
Proxima centauri B - Fonte Nasa
Search by Tags

© 2023 by Going Places. Proudly created with Wix.com